sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Amistoso #3 – Vasco 78 x 73 Vitória

No último amistoso do mês de Setembro, o Gigante do Basquete demonstra evolução e garante triunfo contra equipe baiana. 

O JOGO:

Por conta das estreias de Nezinho e Dedé Stefanelli, e a ausência de Fúlvio, o Vasco entrou em quadra com formação inédita: Nezinho, David Jackson, Gui Deodato, Giovannoni e Lucas Mariano.

Quando a bola subiu, logo a torcida pôde conferir uma organização defensiva mais bem definida em relação aos outros dois amistosos. Comandado pelo jogo físico de Gui Deodato e as bolas de três de Guilherme Giovannoni, o time terminou o quarto com apenas um ponto de vantagem: 22x21.

No segundo quarto, a qualificada equipe visitante começou a entrar no jogo e, após um quarto atrás do placar, passaram à frente. O pivô Lucas Mariano, conseguindo pegar rebotes e trabalhar no pick and roll com o ala David Jackson, se destacou neste período. As equipes foram ao vestiário com 40 a 36 para o Gigante.

Ao retornarem à quadra, as duas equipes continuaram disputando ponto a ponto. O destaque do terceiro período veio do banco: Gustavo Basílio. O ala conseguiu ótimas infiltrações e opções de arremesso. O armador Nezinho também obteve bons arremessos de longa distância. A vantagem continuava pequena (dois pontos de diferença).

No último quarto, o Vasco abriu a maior vantagem da partida, dez pontos. Os alas Giovannoni e David Jackson trabalhavam bem individualmente e, o primeiro supracitado, cestinha da partida, acertou duas bolas de três seguidamente. O Vitória voltou a se recuperar no jogo, mas já era tarde. Vasco vence a equipe baiana por 78 a 73.

*Desfalques da partida:

O armador Fúlvio (com dores na panturrilha) e o norte-americano Hayes (recuperando-se de lesão) não participaram do amistoso.

PONTUAÇÃO:

Nezinho: 6p
David Jackson: 15p
Gui Deodato: 11p
Giovannoni: 23p
Lucas Mariano: 11p
Gustavo: 6p
Renato: 6p

ANÁLISE:

Como havíamos previsto na análise sobre o último amistoso (contra Seleção Chilena) era previsível uma evolução. A equipe se postou melhor coletivamente nas duas partes da quadra. A deficiência nos rebotes defensivos diminuiu, assim como os erros de transição defesa-ataque.
Individualmente, os destaques ficaram para Giovannoni, Gustavo e David Jackson. Vale ressaltar a atuação do segundo supracitado. Vindo do banco de reservas, trouxe ânimo e suporte físico para o time que, em muitas vezes, mostrava-se exausto.

Os erros que ainda persistem – completamente compreensíveis – serão corrigidos ao longo dos treinos e, sobretudo, nos amistosos que o Gigante deve disputar no mês de Outubro. O time evoluiu significativamente e o futuro é animador.


Por: João Pedro Farah


0 comentários: